8/09/2006

AN INVISIBLE TOUCH


ou

MAIS UM MISTÉRIO INSONDÁVEL DA MENTE MASCULINA

Emprestei o carro ao meu filho para ele ir ao Festival do Sudoeste. Quando mo devolveu vinha desgostoso – “Alguém fez um risco no teu carro!” – e apontava – “Aqui, estás a ver?” – e eu a apurar a vista o mais que podia e nicles.
- Ouve lá, mas que risco?
- Aqui!!! – e apontava uma zona da porta – Não vês???
Aproximei-me. Os meus olhos não conseguiam vislumbrar qualquer sinal de risco na pintura. Desisti, sem deixar de fazer o meu ar inteligente.
- Ah! Ok... não faz mal, deixa lá isso!
Depois de ele ter ido embora, fiz mais uma tentativa. Aproximei a cara do local, tentei apurar os sentidos, nada. Passei a ponta dos dedos na zona indicada, podia ser que ao tacto aquilo resultasse. Nada. Nem os meus olhos nem os meus dedos têm a menor capacidade de descortinar riscos óbvios para a espécie homem. Acho que só mesmo no caso de chegar ao carro de manhã e lhe ter caído um asteróide em cima durante a noite eu vou dar por ela.
Que se lixe.

A nossa relação com o automóvel é desprendida. Pronto.

7 comentários:

São Rosas disse...

Tão desprendida que nem há seguro... nem selo do carro... nem revisões... nem mudanças de óleo... nem... nem... nem...

Anónimo disse...

Talvez saboreando um bom vinho, de uma boa região, de uma boa colheita, com um preço honesto, consiga ter a concentração necessária para ver uma coisa tão simples como um risco na pintura do automóvel...se não vir, que se lixe, abra outra garrafa e procure a companhia certa para a saborear.

joaninha disse...

Por acaso tenho um enorme, bem visível de que vai da frente à traseira, a passar pelas portas, claro. E não, não fui eu que o fiz! (Se eu apanhasse o desgraçado!) E já la está há uns anos. (Vergonha!) Ver o óleo e o ar dos pneus... o que é isso? E lavar? Odeio tudo o que diz respeito a manutenção. O que quero é que ele ande!

José Manuel Dias disse...

Cada um (a) ver o que quer....e sabe (lol.
Abraço

madfun_ph disse...

Estou mesmo a ver.A senhora tem um carro riscado, não é?.Daí a dificuldade e verificar onde se localiza o novo traço.
Tenho um amigo que um dia, ao abrir a porta do carro, foi acusado por outro condutor de ter riscado o lado da sua viatura e que tinha de pagar a pintura .O meu colega, depois de muito olhar para tantos riscos mas nenhum com a cor do seu carro (amarelo)-e o outro teimando- resolveu a coisa:
«Ah! tenho de pagar!?»Foi á mala do carro, pegou numa chaves de fendas e risgou o carro todo,e
o outro ficou pasmado, sem pinga de sangue.Remate do meu amigo «Agora participe ao meu seguro»
Atenção não peça ao seu filho que pague...

Didas disse...

São, não me digas que também não lhe metes gasolina e o gajo anda!

Sim anónimo do costume, é um bom pretexto para uns copos, é sim senhor.

Estou contigo Joaninha! E no caso desse risco deixa lá, sempre deve dar-lhe uma personalidade própria!

Zé Manel, eu vejo o que lá está! :)))

Madfun, o meu carro é imaculado... que eu veja. Mas a história desse seu amigo é do best! Adorei!

Caloria Fatal disse...

Ai.. O meu, de tão cheio de poeira, cagadelas de gaivotas e humidade do mar, nem os riscos se vêem...
Não é uma sorte?