9/28/2006

MAIS UM SERVIÇO PÚBLICO DA PADARIA DA FAMÍLIA

Quem conhece a Conservatória do Registo Civil no Bairro da Forca-Vouga em Aveiro sabe que eles dão o bilhete de identidade de um dia para o outro (o que dá imenso jeito a baldas como eu, que deixo andar aquilo caducado ou com a morada diferente da carta de condução para cima duma eternidade e quando já não posso protelar mais lá vou a correr tratar do assunto).
Quem conhece a Conservatória do Registo Civil no Bairro da Forca-Vouga em Aveiro também sabe que muitas vezes, está apenas uma funcionária em front-office, é preciso para aí uns dez minutos para atender cada cliente, no mínimo, e chega a haver uns vinte ou trinta números à frente do nosso, o que é coisa para desencorajar o mais valente.
Quem conhece a Conservatória do Registo Civil no Bairro da Forca-Vouga em Aveiro sabe ainda que a máquina de senhas que eles têm é daquelas antigas que já só se usam nas charcutarias dos supermercados. Os tickets não têm data, nem hora, e são iguais de rolo para rolo.

Por tudo isto, aqui vai uma dica em especial para os clientes do farinha, que por levarem a xaropada de ler isto regularmente têm a recompensa de poder beneficiar desta estratégia única que descobrimos da última vez que lá fomos.
Então a história foi mais ou menos assim:
Tirámos a senha, éramos o 38. A funcionária estava a acabar de atender o 8 e chamava corajosamente o 9, sabendo de antemão que àquela velocidade se arriscava fortemente a dormir lá. Viemos cá fora apanhar uma bequinha de ar, conversar um bocadito e tal… e eis que de repente, reparámos que as floreiras em frente do edifício estavam pejadas de papelinhos cor-de-rosa amachucados. Aproximámo-nos, tirámos um. Sim, tudo aquilo eram senhas de atendimento. De covardes desistentes? Do dia anterior? Não interessa. Abrimos algumas. Escolhemos uns números jeitosinhos e voltámos para dentro. Éramos o 12. Fomos atendidos num instantinho e tivemos o resto da tarde para anhar numa esplanada a descansar como convém a grandes mentes como as nossas.

Acreditem, aquelas floreiras estão sempre cheias de senhas. É só ver em que número vai e escolher.
Apenas um conselho, uma questão técnica de pormenor mas que faz a grande diferença entre os génios e os parolos: Escolha sempre mais que um número. Quando a funcionária chamar, dê uns segundos. Apenas os suficientes para se certificar que a senha não era do dia anterior e não há lá outro gajo com um número igual. Dava bandeira e é desagradável.

4 comentários:

joaninha disse...

Boa! Que sorte!

Anónimo disse...

Falta de civismo. Isto é o salve-se quem poder!

Didas disse...

Puder!!! Puder com "U"!!! Ai valha-me Deus!

SaltaPocinhas disse...

essa das 2 ou 3 senhas é que é de génio!! Vou usar logo que precise!