6/24/2010

Ser português, brandos costumes

Um português não namora, anda com.
Um português não rompe o namoro, deixa de andar com.
Um português não telefona, dá um toque.
Um português não tem amantes, amiga-se.
Um português não se zanga, incomoda-se.
Um português não discute, trava-se de razões.
Um português não comete adultério, mija fora do penico.
Um português não come, aconchega o estômago.
Um português não bebe, vai aos copos.
Um português não mente, diz inverdades.
Um português não tem empregados, tem colaboradores.
Um português não rouba, apropria-se indevidamente.
Um português não é rico, vive confortavelmente.
Um português não se apaixona, enamora-se.
Um português não é bom, é uma pessoa que não é má.
Um português não suborna, gratifica.
Um português não se revela, abre o jogo.
Um português não insiste, bate na mesma tecla.
Um português não é enganado, compra gato por lebre.
Um português não ajuda, dá uma mãozinha.
Um português não tem problemas, tem pedras no sapato.
Um português não ignora, faz vista grossa.
Um português não se distrai, pensa na morte da bezerra.
Um português não tem despeito, tem dor de corno.
Um português não faz equipa, uma mão lava a outra e as duas lavam as orelhas.
Um português não é um traidor, é um vira-casacas.
Um português não morre, vai desta para melhor.

3 comentários:

Mirian Martin disse...

Quer dizer que português também pensa na morte da bezerra? :)) Meus avós usavam essa expressão. Eu sempre ficava com pena da bezerra... :)

bjs

Gi disse...

O Português é um fantástico eufemista.

Didas disse...

Mirian, essa bezerra deve ser especialmente má para tanta gente pensar na morte dela!

Gi, pois é.