3/19/2011

Modernices

Pá, ontem cheguei a casa toda porreira à espera de me esticar um bocadinho no sofá a fazer que via o preço certo, o portugal direto ou qualquer outra porcaria dessas que eles nos esfregam no focinho a essa hora e, quando liguei a televisão, apareceu-me uma mensagem a dizer que tinha sido detectada uma alteração de software e a perguntar se eu queria fazer a alteração. Como só aparecia a opção de OK eu entendi que a pergunta era "Queres fazer ou queres fazer?", e então fiz. Depois de uns dois minutos sem acontecer nada achei que já tinha escangalhado aquela m*rda toda e toca a desligar a televisão e a voltar a ligar a ver se acontecia alguma coisa. Dessa vez a parvalhona já me perguntou se eu tinha a certeza que queria abortar. Ora eu que nem grávida estou e até sou contra o aborto, achei logo que aquilo já estava a ser abuso de confiança e disse que não. Até porque não podia dizer mais nada, que estes aparelhos só aceitam respostas de "Não" ou "OK" e não são gajos para entrar em diálogo connosco olhos nos olhos. Aí, a gaja disse que então sempre ia fazer a actualização do software e dessa vez é que eu reparei que, apesar de não estar a acontecer nada à vista desarmada, a box parecia uma maluca com luzinhas a piscar e palavras sem nexo a aparecer assim do nada. Então pensei, "Afinal a p*ta tem um plano qualquer, talvez seja melhor deixá-la acabar e depois já vejo". Só que ao fim duns dez minutos ainda estávamos na mesma. Eu de pé feita parva com o comando na mão à espera e a box a passar-se. Até que passado algum tempo, milagre, apareceu qualquer coisa. Só que era uma porcaria dum menu qualquer para sintonizar os canais um a um. Cum carago, aquela m*rda, entre iates, poker, novelas, notícias e outros sobre coisa nenhuma, tem mais canais do que eu tenho cuecas na gaveta, e acreditem que tenho bués porque já de há uns anos para cá fiz a promessa de que sempre que estivesse com a neura e tivesse que ir às compras contra a minha vontade, não compraria mais do que um par de cuecas. Adiante. Comecei a fazer OK a todos os canais e nunca mais saía dali, até que a gaja desistiu ela própria. A cabra devia-me estar a testar a paciência, só pode, mas não teve sorte nenhuma. Toma! Só que a seguir apareceu-me outro menu para escolher se queria os canais de pé ou deitados. E a seguir outro para escolher se queria o ecran expandido ou encolhido. Depois outro para isto, outro para aquilo, depois mais um aviso a dizer para esperar porque a locutora da RTP1 tinha ido mudar o penso e mais não sei quê... Até que finalmente aquela porcaria se acalmou e começou a transmitir programas normalmente que era isso que eu queria desde o início e foi para isso que a comprei. Só que entretanto já era hora de ir fazer o jantar e eu tinha desperdiçado o meu intervalinho de sorna em que habitualmente ligo a televisão e olho um bocadinho para o lado de dentro das pálpebras, de pé com um comando na mão a discutir palermices com uma televisão estúpida. Que saudades do tempo em que uma televisão só sabia mesmo ligar-se, desligar-se e avariar! Chiça!

7 comentários:

Anónimo disse...

O tempo das "modernices" é assim!..
Por vezes esgotam-nos a paciência!

Zé de Aveiro

Anónimo disse...

O tempo das "modernices" é assim!..
Por vezes esgotam-nos a paciência!

Zé de Aveiro

mfc disse...

Eu nunca ligo a esses "apelos"!!!

estrela do ar disse...

Conclusão: essa chatice salvou-te de veres o perímetro abdominal do Fernando Mendes. Há males que vêm por bem.

Luís Maia disse...

saudades dos interlúdios

Saltapocinhas disse...

grrrr...
também já me aconteceu.
mas o que me acontece mais vezes é ela desligar-se e nem pede desculpa nem nada, como faziam as antigas.

kuka disse...

Compras uma antena daquelas proletárias, metes em cima do telhado e vais ver que se acabam essas chatices. Quem é amigo, quem é?