7/08/2011

Nós cá em casa, pelo menos, já estamos a tomar medidas!



Só há três coisas capazes de unir verdadeiramente um povo: O futebol, a família real e um ataque estrangeiro. No futebol somos especialistas em grandes expectativas, rei não temos, mas eis que a Moody's nos veio dar um alento novo para marchar marchar contra os canhões. Que esta pica não nos passe tão cedo é o que eu desejo, ainda que muitos só agora se tenham sentido. Caramba, já andávamos a pensar que a maior parte do pessoal não é filho de boa gente!

4 comentários:

Imperator disse...

o povo embora tenha vontade de arrear nos nossos belos políticos e numas tantas claques de futebol era um bocado aborrecido porque só uns criam e outros não.

agora vieram os americanos armados em artistas, deviam ter percebido que nós a meter-nos lá fora a coisa nunca corre muito bem, ou quanto muito somos "tomates", agora quando querem cá entrar, bem, está históricamente provado que quem se mete connosco cá dentro leva nas orelhas...

Luís Maia disse...

Perante a certeza da inevitabilidade duma Europa federalista recomendo que se comece desde já a considerar a hipótese de exigir um referendo nacional para repor o regime monárquico em Portugal.

Simbolicamente na figura do rei estaria representada a independência nacional perdida nos meandros desse tal federalismo,e assim seria uma forma de nos recordarmos que Portugal tem quase 900 anos

Além disso sairá mais barato por certo pois vejamos que por incrivel que pareça o Orçamento da Presidência da República Portuguesa é de 20,7 milhões de euros.

O orçamento da Casa Real espanhola é de 8,9 milhões.

Vou iniciar um movimento de blogs, pela exigência dum referendo pela restauração monárquica.

mfc disse...

Mas há um ano a direita não se incomodava com os vaticínios da Moodys!
Seja então bem vinda a direita!

Didas disse...

Imperator, é isso, o inimigo tem que ser comum!

Luís, não esquecer a dinheirama que nos custa a palhaçada das eleições!

mfc, então podemos considerar isto uma bela lição de humildade para a direita?