10/06/2011

Guia de viagem: Como entrar num museu em Itália



Para quem nunca lá esteve e tencione estar, para quem pense ir ver ao vivo o David de Miguel Ângelo ou A Primavera de Boticelli, aqui vai um breve manual de sobrevivência:






1. Na Itália, os museus mais relevantes (ou seja, os que atraem mais visitantes), têm duas filas para entrar. Uma para as pessoas normais como eu e (acho) vocês, outra para os chicos espertos.



2. Na fila para as pessoas normais os bilhetes têm o preço normal. Por exemplo, 15 euros.



3. As pessoas normais, quando chegam ao museu, vêem que a fila normal não é assim tão comprida como isso, fazem umas contas de cabeça, concluem que irão entrar em cerca de meia hora e colocam-se no fim da dita.



4. Uns 5 minutos depois, no entanto, começam a passear-se ao longo da fila umas miúdas a apregoar a estranha frase "Skip the line!". Algumas das pessoas normais que estão na fila normal questionam a razão de ser daquilo e ficam a saber que, se quiserem passar para a fila dos "chicos espertos", devem comprar bilhetes a elas. O preço desses bilhetes poderá ir de 20 euros por cabeça (se a pessoa tiver ar de italiana, espanhola, tuga ou brasuca), a 45 se as moças entenderem que se trata de alguém dum país abastado. Cuidado loiros!



5. As pessoas normais mandam-nas pastar e continuam na fila, porque era só o que faltava.



6. Uma hora depois, a fila das pessoas normais continua imóvel ou, quando muito, avançou uns metrinhos. Mas já cresceu bastante e vai numa rua qualquer donde nem sequer se consegue ver o museu.



7. As pessoas que estão na fila normal pedem aos acompanhantes que vão lá à frente ver o que se passa na entrada, do género se morreu alguém, se houve um tremor de terra e caiu uma pedra imensa em frente à porta ou se o museu foi à falência e entretanto fechou.



8. É nesta altura que as pessoas da fila normal descobrem que, na entrada normal, não está a entrar ninguém. Que inclusive o porteiro que lá devia estar foi comer, foi à casa de banho ou foi visitar a prima ou a p... que o p... Já a outra fila (aquela dos chicos espertos que compraram os bilhetes às ragazzas) anda que se farta e não há praticamente espera.



9. As pessoas da fila normal ficam perplexas, comentam entre si o que se está a passar e que nunca tinham visto nada assim em parte alguma do planeta. No entanto, as mais honestas continuam a achar que não vão alinhar naquele esquema nem que a vaca tussa e mantêm-se na fila.



10. À medida que a fila avança (pouco e durante horas), as pessoas normais vão vendo inscrições na parede ao seu lado, de outras pessoas que lá estiveram antes e já estavam a ficar, em bom português, f*didas com aquilo. Essas inscrições vão do "only 3 hours from here my friend" até ao desenho duns caralhetes bem torneados.



11. As pessoas normais acabam por concluir que, ou alinham ou não entram no museu, o que depois de ter apanhado um avião e feito milhares de quilómetros é um bocado chato, e lá chamam uma gaja daquelas para lhes venderem um bilhete daqueles que alguém dentro do museu (e que também come uma parte com toda a certeza) lhes orienta para elas venderem cá fora. Conclui-se também que o facto do porteiro passar o dia com ataques de c*ganeira é uma cena propositada para o pessoal desistir de entrar a bilhetes de 15 euros.



12. Quando acabam por conseguir entrar no museu, as pessoas normais já vão com uma neura que só lhes apetece começar a fazer às peças o que o Mr Bean fez à Mãe de Whistler ou pior, pelo que acabam por já não ver nadinha e limitar-se a procurar por um livro de reclamações que não existe porque na Itália não é obrigatório.



13. Quando vão ao museu seguinte as pessoas normais, apesar de muito lhes custar, já nem se põem na fila. Vão directas a uma gaja daquelas e dizem-lhe logo que não dão mais do que 20 euros e que ela se ponha fina.






E é assim que a gente conclui que não faz parte da pior raça de intrujas que há no mundo e fica até a gostar um bocadinho da pátria-mãe. Por outro lado, descobre-se também como é que um mastronço como o Berlusconi consegue ganhar eleições, o que é duplamente didáctico.



E pronto. Mais tarde ensinar-vos-ei a sobreviver em Roma como peão.

13 comentários:

mfc disse...

E foi assim que o Berlusconi se iniciou na arte de fanar dinheirito!!!

Didas disse...

Ele e os outros todos. Por isso cada vez acredito mais na minha teoria, "não existem povos exemplares com governos corruptos. Quando há merda é tudo merda!"

Saltapocinhas disse...

apre!
o meu filho quando foi a roma também veio a dizer cobras e lagartos, do tipo de nunca se saber quanto se ia pagar porque o preço que está escrito na ementa não tem nada a ver com o preço realmente cobrado. (por exemplo, levam dinheiro de trazer o café à esplanada e, se tiverem de trazer o pedido por 2 vezes, cobram 2 vezes!
enfim, corruptos governados por um igual.

Didas disse...

Mais ou menos isso, infelizmente...

ricardo a. disse...

no museu do Vaticano acabei por passar à frente de imensa gente por causa desses "vendedores". Com a conversa da venda dos bilhetes acabamos por infiltrar na fila dos "normais".

Didas disse...

Infiltrar? Mas isso é intrujice!

Anónimo disse...

À imagem do que se passa neste triste País!...
A MERDA é muita e a CORRUPÇÃO e o
COMPADRIO também!.....
Assim não vamos lá!...

Zé de Aveiro

Anónimo disse...

À imagem do que se passa neste triste País!...
A MERDA é muita e a CORRUPÇÃO e o
COMPADRIO também!.....
Assim não vamos lá!...

Zé de Aveiro

Carros importados disse...

Itália, o país mais parecido com Portugal que conheço....talvez por isso deteste ir lá de férias, para ser enganado fico por cá!!

A.B. disse...

Ainda se lembra de mim? Ensine-me a sobreviver em Portugal como cidadão.

VDinis disse...

Estive em Itália na semana passada e percebi isso mesmo. Cada vez que um português disser mal de um "tuga", o achar um asno, mal-criado ou pouco civilizado, deveria ser obrigado a ir a Itália... para perceber que somos melhores que muitos cidadãos de outras sociedades que andam por aí! Nomeadamente, que somos melhores cidadãos que os italianos!

Fico a aguardar pelas lições de sobrevivência como peão, já que, em Itália, atravessar a rua numa passadeira ou fora dela é a mesma coisa: corre-se sempre o risco de se ser atropelado!

PEIXE disse...

ROMA.....experimenta conduzir em napoles com um carro alugado de matricula suiça.
Roma é para meninos..loll

Didas disse...

Zé de Aveiro, lá é pior. Nunca vi fazer isto cá.

Carros... mas cá não há uma capela sistina. És enganado e ficas a olhar para os guarda-sóis na praia.

A.B., e quem disse que eu sei?

VDinis, está tudo dito :) Atravessar a estrada em Roma é um acto de coragem suprema!


Oh Peixe! Conduzir pelo meio de caixotes do lixo acumulados? Jamais quereria ir a Nápoles!