1/15/2012

A pólvora seca

E eis que, depois de descobrir que é permitido por lei uma empresa criar franchisados (tem é que querer, ter condições para isso e achar que é vantajoso), Álvaro Santos Pereira teve mais um raio de inspiração que lhe insuflou a ideia peregrina de que os trabalhadores devem descontar nas férias os dias em que fazem ponte. Aliás, esta última ideia é tão boa que já estava a ser praticada há anos, tanto no público como no privado!
O homem é um génio!

5 comentários:

Vítor Fernandes disse...

Deem-lhe um pastel de nata que ele cala-se.

mfc disse...

E que faça um Pouuuummmm que se ouça longe!!!

Didas disse...

Vitor... não cala...

mfc, mas que não cheire!

pé-de-cereja disse...

Quando ouvi pensei exactamente o mesmo. «Que parvoíce, todos sabemos que um dia 'de ponte' é um dia de férias antecipadas, sempre assim foi»
Mas pelo que oiço sempre há novidade, se um patrão decidir que 'dá' uma ponte queira o trabalhador ou não, é sempre um dia de férias que perde. E se for pedido pelo trabalhador são dois dias. Isso é mesmo novidade.

Didas disse...

Só é novidade os dois dias. Quando o patrão quer fechar a empresa os empregados já descontavam um dia de férias em todo o lado.