11/21/2012

Refundam então a porcaria do estado social mas como deve ser!

A receita é simples e lógica. A mim parece-me simples e lógica, mas digam-me vocês meus amigos, pois isto pode ser só o fruto dos calores provocados pelos fornos da padaria.
O governo fala insistentemente em repensar (leia-se acabar com) o estado social. Por mim, na boa. Só quero duas coisitas antes disso acontecer:
1. Deixar de pagar impostos que se destinem directamente a alimentar esse tal estado social, nomeadamente Caixa Geral de Aposentações ou Segurança Social e descontos para subsistemas de saúde. O IRS tem que descer, deixa de ser preciso gastar dinheiro com educação e outras paneleirices que não levam a lado nenhum (ou pelo menos não têm levado).Se não há estado social cada um que se desenrasque sozinho incluindo toda a maralha que actualmente vive à grande e à nossa pala e a que vive em semi-miséria mas igualmente à nossa pala. Com isso devo conseguir pagar as minhas próprias radiografias, comer bifes e ainda ir a um concerto de rock de vez em quando, para grande gáudio da tia Jonet.
2. Devolvam-me o guito todo que já descontei para a Segurança Social e para a CGA, com juros de mora à taxa legal e fiquem com a porcaria de reforma que eu já estou a ver que estão a planear dar-me. De certeza que fico a ganhar.

Simplesmente, repensar o estado social, infelizmente, significa ficar-nos com a massa toda que já lhes demos e mandar-nos pastar. Significa o empastelado Gaspar e seus amigos nos convencerem que nos têm andado a dar alguma coisa que já não era nossa!... E, pior, nós acreditarmos!

3 comentários:

Vítor Fernandes disse...

Ó Didas isto não tem comentários. O que propões é um regresso ao século XIX (ou XVII). Até o Barack Obama anda a lutar contra esta proposta, quem diria não é? Eu discordo totalmente do que nos andam a fazer, mas daí até pretender o fim do estado social, a base de toda a construção europeia (enfim que alguns não o souberam fazer). Por acaso já pensaste nos países do norte da Europa. Bom eu nem queria comentar...

pé-de-cereja disse...

Vitor Fernandes, a Didas estava a gozar como ela é exímia em fazer, e a imaginar o absurdo. Ou seja, como seria se fizessem o que afinal estão a "prometer" se, logicamente, então os contribuintes não contribuíssem...
Eu cá achei-lhe muita graça, porque é isso mesmo - os senhores do governo querem o sol na eira e a água no nabal!!! ou a gente desconta a brutalidade que faz que se esteja mais de meio ano sem ganhar para si próprio, ou... naõ se tem esses benefícios (que ameaçam tirar - mas também não levam os impostos. Ou água ou sol!

Didas disse...

Vítor, oh Vítor! Já ouviste falar em ironizar? A cereja já! Ai homem, precisas de férias!