2/26/2006

O CARNAVAL


Nós aqui na padaria gostamos muito do carnaval.
O carnaval é muito bonito porque as pessoas estão todas muito felizes.
Aqui na nossa cidade, o senhor padre mandou as pessoas ficarem felizes porque a seguir vem qualquer coisa tipo quaresma, que a gente não sabe muito bem o que é, e aí têm que ficar todos sérios outra vez e não podem comer carne e outras coisas. Nessa parte as senhoras da paróquia ficam felizes porque vão ter uns tempos sem dizer que lhes dói a cabeça mas têm que disfarçar para ninguém desconfiar.
No carnaval as pessoas fazem coisas muito engraçadas como soprar nuns apitos que se desenrolam, rebentar umas garrafinhas pequeninas que cheiram a vinte celuloses juntas com o vento a vir de Cacia para cá e outras assim muito originais.
No carnaval as pessoas também gostam muito de pregar partidas umas às outras e riem-se todas muito, não sei se por estarem contentes com a partida ou se por terem concluído que são tão inteligentes.
No carnaval, há homens que se vestem com saias e soutiens e meias de vidro e fazem uma voz muito fininha. Na verdade eles devem passar o ano todo a fazer isso às escondidas mas no carnaval é mais fixe porque podem fazer à frente de todos e nem a mulher desconfia.
No carnaval também há pessoas que gostam de encher camiões com tralhas que não sabemos onde arranjam mas deve ser no lixo e depois saltam lá para dentro e põem-se aos saltinhos (deve ser porque está muito frio e têm que aquecer) e andam por aí todos em fila indiana a tocar umas cassettes que não se percebe a letra porque são muito antigas e estão muito estragadas mas é qualquer coisa sobre uma chupeta e um bebé.
O carnaval também é muito bom porque há sempre uma terça-feira em que as pessoas não vão trabalhar e ficam na cama a dormir até mais tarde. Felizmente os cortejos são só à tarde porque se fossem de manhã acordavam as pessoas que queriam dormir descansadas e aproveitar o dia sem trabalhar.
No carnaval os adultos também ficam contentes porque é uma altura em que se podem vingar das crianças chatas sem ninguém ir fazer queixa deles à esquadra. Pegam nos bebés pequeninos e obrigam-nos a andar fardados de sopeiras, sevilhanas e até ursos e tigres. Depois quando passam uns pelos outros fartam-se de rir para os putos que é como quem diz: "Toma lá que já almoçaste". Os putos fartam-se de chorar mas não podem fazer nada e têm que aguentar. Depois quando forem crescidos também podem fazer a mesma coisa aos filhos deles.
Nós aqui na padaria, como já disse, gostamos muito do carnaval. Tanto, tanto, que ainda agora está a começar o Domingo e já não aguentamos de tanta excitação. Ainda falta muito para acabar?

2 comentários:

kuka disse...

Pois é,Didas!é curioso como a forma que retrataste,aliás;a criança que fez a composição(no meu tempo de escola chamava-se:redacção)espelha exactamente a forma como vejo o carnaval.

o gajo do contra disse...

a menina esqueceu-se de referir aquela parte abjecta em que as moçoilas, para que não fiquem atrás das brasileiras, andam de maminhas a dar a dar ao frio...

...bem... pelo menos é uma perspectiva mais "animadora" do que as próprias brasileiras, já que os efeitos do calor sobre as mesmas não são tão... aham... estimulantes! :D