7/22/2006

VIGO, 20 DE JULHO DE 2006

Vejam só com o que deparámos à nossa chegada a terras da Galiza um destes dias...



Eu sei que é difícil, mas eu passo a explicar:

Eles têm uma família real simpática e discreta q.b., e um rei que não chateia, não se mete nas questões políticas, limita-se a exercer a sua função de representante da cambada e pronto.
Eles pelos vistos não estão bem com aquilo que têm.
Nós temos um presidente (este ou outro qualquer, não é nada em particular contra o senhor Aníbal da Silva), que nos fica pelos olhos da cara a eleger de quatro em quatro anos, em caríssimas e poluentes campanhas de marketing que deixam toda a gente a saber o mesmo ou menos do que antes. Fica-nos igualmente caríssimo entre esses espaços de tempo, não só pelos 10000 aéreos que leva ao mês (mais coisa menos coisa), mas principalmente pelo séquito de assessores e tachistas vários que o rodeiam, mais despesas de representação. Também nos custa uma pipa de massa depois de reformado e, neste momento, pelas minhas contas, temos uns três nessa situação.
Ora como os hermanos estão, pela amostra que se vê, virgens na matéria e crentes na tal da república, a gente não lhes conta nada e, bem trabalhadinhos, eles ainda nos ficam com este que cá temos agora, aí por metade do preço que eles nos custou a eleger (a totalidade deve ser impossível de conseguir porque mesmo republicanos não devem ser tão parvos). Com mais uma ou duas cantigas do bandido levam também todos os especialistas que cá temos em matéria de república, essenciais para o estabelecimento do sistema por lá. Era uma limpeza do caraças.
A seguir empossamos o Tio Duarte e a sua senhora, muito mais simpáticos e queridos do povo (lembram-se do que rendeu o casamento em notícias e entusiasmo popular?), e que temos a certeza nunca iriam bazar dum jogo de futebol antes do fim por estarmos a perder.

O que é que acham?

6 comentários:

D'Alambert disse...

V I V A A R E P U B L I C A

(os reis ficam mais caros ainda, ó rosarinho. Quem pensas que lhes paga as mordomias?do bolso deles?
isso é que era bom !!!!!

luikki disse...

uma monarquia como a espanhola até era agradável...
agora, se cá põe o sr duarte...ficãmos ainda pior!

Didas disse...

Olhe querido Alambert ou lá o que é, se vem cá para tomar um cafezinho e comer uma sandoca tudo bem. se se põe a gritar pela República tenha lá cuidado que isso faz-nos mal ao fígado.

Luikki, o que é que o(a) menino(a) tem contra o Tio Duarte? Hein?

luikki disse...

menino!
quer comparar d. juan
com o ti duarte?

Bartolomeu disse...

Apesar de atrasado no comentário, comento-o...
ache que sim... que sim... que sim...
até estou a pensar num modo de os negociar com os tais "nuestros hermanitos". Lembro-me de ha uns anecos atrás o mercado estar deficitário do fiel amigo, o que originou imediatamente uma esperteza saloia na comunidade merceeira, lembraram-se esses crâneos de só vender umas postécas do precioso bacalhau a quem comprasse outros generos de menor venda, escoando assim o stock de farinhas, massas, atuns e outros. Portanto, uma vez que os nossos vizinhos estão tão interessados no nosso património agricula, industrial e turístico, por que não aplicar a técnica do merceeiro?
Hombre, quieres una herdad? entonces tiens de ficar con la ministra de educacion, bale? E tu... quieres esse hotel? Bueno, tiens de llebar al primero ministro.... e por aí adiante.
Peço desculpa pelo meu espanhol, é que estou com uns fios de bacalhau entalados nos dentes...

Didas disse...

Uma ideia gira! Mas infelizmente nas monarquias também há ministros. Esses não os conseguimos vender :(