12/28/2006

NÃO SEI BEM PORQUÊ MAS ESTOU PREOCUPADA




Ora digam-me lá outra vez qual é a média para entrar nas faculdades de medicina que eu parece-me que não percebi bem.

Os senhores doutores estão contra a implementação de sistemas de controlo de assiduidade nos hospitais (vulgo picar o ponto), e as razões por eles apontadas são as seguintes:
Perdem cerca de metade do dia de trabalhoHello! Aquilo é só pegar no cartão e passá-lo na máquina, não é preciso marcar código como no supermercado, nem falar com o computador como nos filmes de ficção científica, nem fazer o pino, nem dizer a frase como nos discos pedidos, nada, zeros, niente! Demora cerca de meio segundo nos dias em que se fez noitada e se acorda obtuso, nos outros ainda menos.
Se estiverem a atender um paciente e chegar a hora de sair, têm que deixar o atendimento a meio e bazarHelloooo! Até uma candidata a miss Portugal consegue perceber à primeira que o objectivo de picar o ponto não é ver se o pessoal sai tarde demais. É ver se ENTRA tarde demais. Na prática, qualquer infeliz que trabalhe numa fábrica a ganhar o salário mínimo ou pouco mais já percebeu isso… na pele… e ainda tem que pagar o que não tem para se socorrer de um gajo que inventa desculpas esfarrapadas destas quando tem o azar de estar doente.

Ou será que o problema dos chavalos é mesmo até agora terem passado na discreta a trabalhar horas a menos e a gente a alombar com os ordenados deles e agora estão lixados por lhes quererem tirar o privilégio?
Será que se acham demasiado importantes para picar o ponto como um reles analfabeto?
Será que são merdas como estas que fazem desta choldra um país de terceiro mundo, dividido entre senhores doutores e os outros, cuja função é tirar o chapéu e falar com respeitinho?

2 comentários:

Sininho disse...

N querem pk n lhes dá jeitinho nenhum e até se acham seres superiores ao comum mortal, mas quando morrem vão deitadinhos como os outros. Feliz 2007 a todas

Didas disse...

Esse é o grande mal Sininho, a mania de serem seres superiores. São eles e s artistas.