10/03/2008

PARA LÁ DAS FRONTEIRAS

Assisti a esta cena no Porto, numa esplanada duma tasca na zona de Campanhã. Era um casal jovem com um filho de uns cinco anos, que brincava por ali. Quando ela se levantou para irem embora, o homem aproximou-se por trás e pôs-lhe as mãos na cintura, num gesto perfeitamente normal. Ela, dirigindo-se à criança, como que a pedir protecção em tom de brincadeira, disse, textualmente:
-Ai que ele bai-me foder!
O miúdo riu-se ligeiramente, e lá foram os três embora.
E agora digam lá que o Porto não é uma naçon!

2 comentários:

São Rosas disse...

Não vejo qualquer problema. Ela não disse "pito"!

Saltapocinhas disse...

ahahah!

mas eles utilizam essas "palavras" sem a conotação que nós lhe damos.

mas lá que soa estranho...