9/29/2010

Não há para onde fugir


O problema nem é o Sócrates vir dizer que nos vai lixar 5% do ordenado. O problema é sabermos que se votarmos noutro qualquer ele vai-nos dizer exactamente a mesma coisa.

16 comentários:

Funes, o memorioso disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Funes, o memorioso disse...

Só parcialmente de acordo. O problema foram os que voltaram a votar Sócrates, quando o tumor já era evidente, mas ainda relativamente pequeno e susceptível de ser extirpado sem tamanha dor.
Hoje, é certo o que diz. Mas podia não ter sido.

Saltapocinhas disse...

emigrar?

A.B. disse...

Vote em mim. Só lixo 4.99%.

Anónimo disse...

Já fico a saber que a Didas é FP e ganha mais que 300 contos!

Didas disse...

Funes, não lhe conhecia o lado ingénuo, mas é enternecedor!

Saltapocinhas, pena tenho eu de não o ter feito em tempo. Farto-me de dizer aos putos que se mandem daqui, isto não tem ponta por onde se lhe pegue.

A.B. ... que bom...

Anónimo, posso estar apenas a exercer a minha capacidade de solidariedade.

A.B. disse...

O problema, Didas, é que você até gostava do Sócrates, e não lhe interessava o mais mínimo de onde vinha o dinheiro. E agora os credores querem o cacau que só beneficiou alguns, e vamos todos pagar por isso. O problema não é qualquer outro dizer-nos a mesma coisa. Problema foi este não o ter dito quando devia. Quase que aposto que votou neste incompetente. Duas vezes. E tal como o Anónimo, creio bem que a Didas é funcionária pública. E vai votar nele outra vez.

Didas disse...

Sim, votei nele. Qual era mesmo a alternativa? A Manela que só f.. para procriar, o Paulinho dos submarinos, o Louçã dos ciganinhos ou o Jerónimo arruaceiro?

Funes, o memorioso disse...

Está a esquecer-se de outra alternativa, Didas: a de não pôr os pés nas mesas eleitorais e não caucionar com o seu voto este sistema sem rumo nem desígnio.

A.B. disse...

Eu não voto de cruz, Didas. Nas últimas fui lá com uma gripada monstra só para votar em branco - foi a minha escolha. Mas antes a Manela - tirando o PCP, que não me interessa mas que sabe o que faz, qualquer dos outros se mijava de susto se ganhasse umas eleições e tivesse que governar a sério. É preferível uma que f*** para procriar, que este país bem precisa de miúdos, do que um que nos enraba todos. Não sei o que ela faz na cama, mas fora dela dificilmente seria pior que este - embora isso não seja garantido. A minha memória não é curta, e não me esqueço das oportunidades incríveis perdidas pelo Sr. Silva nosso BigBoss, quando teve maiorias absolutas e rios de dinheiro oferecido a entrar, nem da noção de patriotismo do Sr. Cherne Barroso.
Como diz o Funes, não ir é uma alternativa, ou melhor, ir e votar em branco (não nulo). Se ainda não mudaram as leis, a partir duma certa percentagem de brancos as eleições têm que ser repetidas com novos cromos ao volante. Não ir ainda pode passar por preguiça ou desinteresse, agora ir e votar propositadamente em branco é uma mensagem muito clara à qual nenhum político saberá dar a volta- é a diferença entre "não quero saber" e "dei-me ao trabalho de vir cá para lhes dizer que não os gramo".
Mas Didas, eu compreendo perfeitamente porque é que votaram no Sócrates. Todos os outros pintavam um quadro negro menos ele, e ninguém gosta de quadros negros. Então se já este ano, dentro da merda até aos colarinhos, ainda se ponderou um aumento de 4.7% da função pública...quem é que resiste? Pois se o homem ainda insiste que está tudo bem, que o mal é o malvado estrangeiro - e aí já estou como a Mafalda, só nós é que vivemos num mundo em que logo por azar todos os outros países são estrangeiros.
Sabe o que é que eu acho mesmo insultuoso? É dizerem, mais uma vez, que "temos que apertar o cinto" quando o que querem dizer é "têm que apertar o cinto".

Didas disse...

Funes, essa é a hipótese que estou a ponderar para a próxima, mas a imagem da Manela Azeda o Leite a dizer-nos o que devíamos fazer, nesta última vez, foi demasiado assustadora.

A.B., não vou discutir preferências sexuais, mas a verdade é que em tempos, quando esteve nas duas pastas que teve em governos, a D. Manuela já nos enrabou e bem. Se bem me lembro foi dela a invenção de só os putos filhos de pais que agora vão levar 5% a menos e daí para cima poderem ir para o ensino superior. Além de outras.

A.B. disse...

Eu não votei na Manela, mas não me lembro dessa do ensino superior agora. Talvez porque já são tantas. Mas pode-me elucidar? Parece-me extremamente grave.

A.B. disse...

E ó Didas, não se zangue comigo. É o seu Blogue, mas tem um quadrinho para botar opinião...

Didas disse...

Oh A.B.! Eu não me zango com opiniões diferentes! Eu nem sou do PSD! Nem do PCP! Nem, nem, nem...

E não foi a Manela que se lembrou das propinas? Acho que foi! Qual é a família da classe média/baixa que consegue pôr um puto a estudar como conseguia dantes? Forget!

A.B. disse...

É bem capaz de ter sido ela. As políticas sociais-democratas para a educação, desde os tempos da sandocha e copinho de leite do Roberto Carneiro, têm sido uma desgraça. Aliás, creio bem que a intenção é clara, quer no PS quer no PSD; criar uma nação de iletrados sem a menor capacidade de perceber, e ainda menos mudar, seja o que fôr.
A pérola da Manela que me ficou no ouvido foi a de suspender a democracia até resolvermos os problemas. Ao pé dessa as propinas até se esquecem, não acha?

Didas disse...

Sim, na verdade...