12/31/2010

.

A abafar ruidosamente a emoção a tiros de petardo ou de champanhe, ouvimos bater as doze badaladas na secreta esperança de que elas sejam a meta remissa do passado e o ponto de partida dum futuro redentor. Assim persiste sob a máscara soberba do civilizado a humildade do primitivo. A humildade que o mantém vivo nas selvas da ignorância, ao lado do morto que vai sendo nas avenidas da sabedoria.

Miguel Torga

6 comentários:

Funes, o memorioso disse...

Credo! Acabar o ano com o desgraçadíssimo Torga? 2010 deve ter sido mesmo mau. Feliz 2011.

Fernando Antolin disse...

Que mau feitio, caro Funes.E eu que gosto do Torga, que hei-de fazer ?

A.B. disse...

Hoje acordei com a estranha sensação de que ainda não saímos de 2010. Nem saímos tão cedo. Estranho...

Didas disse...

Fernando, o Funes é assim, não gosta do Torga nem do Gaudi. Embora um não tenha nada a ver com o outro.

Saímos saímos A.B.! Estamos na recta descendente a grande velocidade!

Funes, o memorioso disse...

É bem verdade o que diz, Didas. Eu não gosto do Gaudi nem do Torga, mas um não tem nada a ver com o outro. O Gaudi não era grunho (muito longe disso). O Torga, sim.

Didas disse...

Pronto pronto caro Funes, ninguém é perfeito!