4/21/2012

E já agora, a empresa é A Vida é Bela e o hotel é da cadeia Turim em Lisboa

Se precisarem de comprar um presente para o dia da mãe, para o aniversário do chefe ou para fazerem as pazes com a cara-metade, aconselho-vos a voltar à tradicional peúga do Natal. Ou vá lá, uma panela de pressão ou um ramalhete de rosas, que impressiona sempre apesar de custar um c*lhão de massa principalmente se quiserem alinhar naquela fatelice de comprar uma por cada ano.
Bem, o que eu não vos aconselho mesmo nada a comprar é um daqueles caixotes com, dizem eles, experiências. Primeiro, porque essas chamadas experiências se resumem habitualmente a uma dormida num hotel onde vos põem no quarto dos fundos ou um jantar de restos. Segundo, porque na verdade, aquilo é o que se chama uma treta. Posso-vos assegurar que acabei (agora mesmo, ainda está fresquinho) de ter o momento que vos vou contar:
Munida dum pacote da empresa A Vida é Bela (aqueles que parecem um boomerang mal parido), telefonei para um dos hotéis indicados a fim de fazer a reserva, ao que me responde a mocinha do lado de lá que "Não estamos autorizados a fazer marcações através da vida é bela!". "Mau!" - pensei eu - "Esta m*rda vai aquecer!", e devo ser uma medium do c*ralho porque aqueceu mesmo!
- Então e explique-me lá quem deu essas ordens! - perguntei.
- A administração!
- E porquê?
- Porquê não sabemos, só sabemos que temos essas ordens!
- Então e diga-me uma coisa, algum cretino dessa tal administração está aí para falar comigo ou deram a ordem e deixaram-na sozinha para levar com os bichos?
- Não! A esta hora não está ninguém! - como se isso me espantasse muito...
- Então para a semana eu vou aí fazer uma reclamação no vosso livro!
- Não pode! - diz a chavala, e esta sim, foi de gritos!
- Eu depois mostro-lhe se posso ou não!
E, depois de mais alguma troca de galhardetes sobre quem pode ou não escrever no livro durante a qual a imbecil explicava que só pode quem é hóspede do hotel (há coisas fantásticas não há?), acabei por lhe dizer boa noite (sou uma gaja educada) e desligar a porcaria do telefone.
E pronto, pelo menos duma coisa não me posso queixar: Tal como é prometido na caixa de plástico, eu tive mesmo uma experiência. E foi uma experiência de tal maneira radical que já tomei um calmante e vou para o segundo.

11 comentários:

São Rosas disse...

Mau, mau, mau, mau...
Tenho dois pacotes (salvo seja) deles para usar e já desconfiava que isto é muito esquisito.
Se me acontecer algo parecido, quem me vai ouvir é a maltinha do «A vida é bela».

mfc disse...

Hummm... devem ser efeitos colaterais da Troika!!!

Didas disse...

São, e o que é que achas? Terça feira estou lá batida na Vida é Bela para continuar a conversa!

mfc, com troika ou sem troika eu é que não tenho nada a ver com isso!

Saltapocinhas disse...

tu não me assustes que também tenho uma prenda dessas.
ainda não telefonei a marcar, vou fazê-lo um dia destes.
mas a minha não é da mesma "marca", pode ser que tenha mais sorte.

Didas disse...

Sim, pode ser que a tua marca ande a pagar aos fornecedores!

kuka disse...

Já vi que só eu é que não tenho pacotes desses!

Anónimo disse...

Hoje mais do que nunca, está na moda o "presente" para o chefe!
Chefe disto, daquilo,(são tantos que perdemos a conta)!
E é cada presente!....

Zé de Aveiro

Vítor Fernandes disse...

fazes muito bem em denunciar e pôr os nomes aos bois. Eu já tive 2 experiências Vida é Bela, mas ao contrário do que te aconteceu foi muito bom, super bem tratado.

Anónimo disse...

Eu pacotes é mais de outro género...

Tipo aqueles de papel onde as (boas) padarias colocam os seus produtos.

kimmi

Didas disse...

Eu vou começar a limitar-me a esses!

eiirp disse...

Para além de que a josta do pacto tem um prazo muito pequeno.
Tenho ali um que terminou em Fevereiro e para o pôr activo novamente tenho que enviar o boomerang para lisboa, pagar 5 euros para o reactivar e mais 7 para o transporte.
Nem para regressar sozinho o boomerang serve...