9/20/2006

QUANDO A GENTE SE CONSEGUE LEMBRAR DE COISAS COMO:

- ser possível comprar 1dl de azeite,
- ser preciso passaporte para ir a Espanha,
- ter que se levantar do sofá para mudar de canal,
- só haver um canal,
- comprar um bolo por 5 tostões (1/4 de cêntimo),
- comprar uns jeans de marca por 100$00 (50 cêntimos),
- ter uma semanada de 10$00 (5 cêntimos),
- ter que sair de Aveiro às 4 da manhã para estar no Algarve ao meio-dia,
- só haver champô para cabelos oleosos, secos e normais,
- as mulheres riparem o cabelo antes de sair de casa,
- as ruas ficarem desertas na hora da Gabriela Cravo e Canela,
- ir à cidade fazer exame da quarta classe,
- a nossa professora primária ter uma criada da nossa idade e ninguém achar estranho,
- haver uns objectos chamados cartuchos que tinham música gravada,
- as ruas cheias de Minis e Fiats 600,
- as mulheres casadas não poderem sair do país sem autorização do marido,
- o divórcio ser proibido,
- ir ao cinema “ver os cartazes”,
- Angola e Moçambique não serem no “estrangeiro”,
- o “Pato com Laranja” render semanas de debates nacionais sobre a moral e os bons costumes,
- haver filas de pelo menos 1km nas bilheteiras dos cinemas para ver o Emanuelle,
- as pessoas terem inveja de quem já tinha visto o “Emanuelle”,
- não haver aulas porque havia uma revolução,
- ser obrigatório ir às aulas de moral e religião,
- ter que acertar com uma micro-agulha na beirinha dum disco de vinil para ouvir música,
- os jogos de cartas serem sempre em cartão,
- só haver computadores nos filmes de ficção científica,
- os computadores dos filmes de ficção científica funcionarem a cartões perfurados,
- a senhora da mercearia pensar que para fazer filmes policiais era mesmo preciso matar pessoas,
- o Joaquim Agostinho ganhar a volta,
- o Rui Veloso gravar o Chico Fininho,
- a Simone de Oliveira cantar a Desfolhada,
- a Madalena Iglésias cantar o Sei quem ele é,
- os americanos chegarem à lua,
- o Salazar morrer,
- os pensos higiénicos Serena com cinto de fixação,
- a leiteira ir lá a casa vender leite avulso,
- os tampos de sanita serem sempre de madeira,
- os cadernos da escola terem a letra do hino da mocidade portuguesa,
- as histórias infantis terem sempre a “moral da história”,
- aprender a escrever com caneta de tinta permanente,
- comprar tecidos para mandar fazer roupa,
- toda a roupa de Inverno “picar”,
- haver colchões de palha que se “batiam” ao fim-de-semana,
- pizza e hambúrguer ser comida alienígena,
- as cuecas terem elásticos,
- as máquinas fotográficas levarem rolos que tinham que se pôr às escuras,
- ir buscar água à fonte,
- máquinas de escrever.

isso significa o quê?

10 comentários:

name unavailable disse...

infelizmente ou não ,dependendo do ponto de vista,tudo isso me é familiar e o que isso significa?para mim significa que não estou sózinho nas memórias, que mais pessoas vivenciaram essas realidades,que não foi tudo um sonho ou delirios de adolescente mas encaro agora a situação com ânimo elevado como se pertencesse a um clube secreto com acesso reservadissimo, sim porque quem nunca teve de pôr uma moédinha em cima da agulhinha do giradiscos para o lp não saltar,claramente não poderá ser membro!!beijos nuno

AVC disse...

Brilhante exercício de memória.
O sr. Nuno diz que punha uma moeda no gira-discos, certamente era de má qualidade. Tive um Telefunken que custou 300$00 e nunca precisei de moeda para o Single ou LP não saltar. També tive um gravador de bobines Philips (a válvulas)e aquilo é que era, horas e horas de música. Curiosamente os amplificadores de válvulas estão de novo da moda. Parece que a sua sonoridade é mais natural. Ainda possuo um prato Dual e posso afirmar sem margem para dúvida, de que o som analógico é quase imbatível.

Cumprimentos.

Nilson Barcelli disse...

Falta de limpeza ao disco.
Beijo.

Didas disse...

Estou com o AVC, também não tenho memória do truque da moeda. Mas é giro. Posso entrar para o clube na mesma, Nuno?

Quanto à sugestão do Nilson, agradeço mas não me parece aconselhável. Formatar apaga o que se quer e o que não se quer, é melhor ficar assim.

PS: AVC, não consigo mandar bitaites no papa moscas, aquilo está avariado?

AC disse...

Éh, Éh..., grandes tempos.
Cpts

alfinete de peito disse...

Significa que tudo aquilo que te marcou de alguma forma, continua bem fresco e presente!

E que apostamos que à medida que foste escrevendo as linhas do post, terás lançado um olhar "crítico" sobre elas, no sentido de talvez vê-las de uma outra perspectiva, embuída de uma megastore de vida como a tua!

Beijos!

Nádia Jururu disse...

Significa que tem boa memória, para se lembrar disso tudo como se fosse ontem...
ou então, saudades.

Didas disse...

Grandes tempos não sei Ac, depende...

Megastore é bem... tento é que não seja em tamanho físico, :)))

Jururu, saudades é naquela... às vezes sim, às vezes não...

SaltaPocinhas disse...

Xiiiiiii...Também me lembro disso tudo!
O que significa? Que temos boa memória, que tinhamos possibilidades de ter essas coisas, que um dia podemos contar aos nossos netos e eles ficarem a pensar como a avó sabe coisas tão giras que parecem mentira!!
No ano passado perguntei aos meus alunos como é que eles pensavam que os antigos acartavam as pedras para fazer os castelos e houve logo um que disse "em camiões, ora", como se eu fosse muiiito burra!

Anónimo disse...

Que está velha?