9/08/2008

NÃO LIGUEM, ISTO AMANHÃ JÁ ME PASSA. OU NAS FÉRIAS

Quando comíamos um bombom, daqueles redondos e pequeninos Avianense ou Chocolate Celeste, por ser um momento especial e único, guardávamos a folha de "prata" que o envolvia, muito esticada mas sem rasgar, entre duas folhas de caderno. Depois passávamos com o dedo na folha de cima com muito cuidado até a pratinha ficar tão lisa que dava para ver nela como se fosse um espelho, e quando lhe pegávamos, produzia um pequeno som cintilante. Ao fim de muito tempo, tínhamos dentro dos cadernos e livros de escola um tesouro constituído por várias pratas de várias cores. Para conseguir isso, reflectíamos sempre bem sobre a cor do bombom que íamos comer.
Com o aumento da oferta, acho que já nenhuma criança perde tempo com isto nem considera um bombom um pequeno tesouro. Claro que não é por isso que a obesidade infantil já tem contornos de problema de saúde pública. Mas lembrei-me.

10 comentários:

São Rosas disse...

Era mesmo...
(só não era Avianense e sim A Vianense, de Viana do Castelo)

Didas disse...

São, é de Viana mas é Avianense tudo pegado. Porque aquilo é sempre a aviar. Vê aqui:
http://www.chocolatesavianense.com/

São Rosas disse...

Tens razão. Eu sempre li pelo logotipo e o V separa bem o A do resto, mas que eles assumem tudo pegado, não há dúvida. Estou sempre a aprender contigo ;O)

Saltapocinhas disse...

eu também fazia isso!!
eram tão raras as gulodices que tínhamos de guardar a recordação!!

Didas disse...

São, tudo junto fica mais aconchegadinho.

A recordação Saltapocinhas. Bonita imagem :)

São Rosas disse...

Mas derrete-se com mais facilidade...

Didas disse...

Na faz mal!

São Rosas disse...

Gostas de aconchego, Noé? Eu também.

Didas disse...

Gostamos todos.

São Rosas disse...

Mas eu abuso...