1/07/2010

Contas



Vamos lá ver uma coisa:
-92.000 pessoas na minha sala a jantar seria muita gente. Muita gente mesmo! Diria que gente demais. A maior parte tinha que ficar na rua e ia encher o quarteirão todinho até lá ao fundo!
-92.000 pessoas no estádio municipal de Aveiro, continuava a ser muito, mas já não tanto. Tinham que se sentar três em cada banquinho.
-92.000 pessoas no estádio Ninho do Pássaro não era muito nem pouco, estava bem.
-92.000 pessoas no Maracanã era manifestamente pouco. Mais de metade dos lugares ficavam vazios.
-92.000 pessoas em Portugal inteiro a assinar uma petição é menos de 1% da população. É muito pouco mesmo.
A isto chama-se valor relativo.

15 comentários:

AB disse...

92 000 pessoas só são poucas quando não nos interessa o que elas querem. A isso chamo relatividade restrita.

jg disse...

Batota, Didas. Batota.

Isso de fazer contar a enfardamentos, é sempre um pau de dois bicos (nem de propósito).

Vamos passar a "quecas" (tb a propósito).

Um gajo assapa 92.000 cambalhotas, digo, quecas, durante uma vida - entre os 17 e os 70 anos - e pode dizer-se que andou 53 anos a dar uso ao prego.
53 anos dá a módica quantia de 19.345 dias (tudo a anos comuns).
Dividindo 92.000 por 19.345 dias dá 4,75 pinocadas/dia. A bem dizer 5.
Para um italiano (dizem eles, aldrabões do car*#&%) isto é coisa para meninos.
Para os brasileiros 5 por dia deve ser uma vergonha (outros que tal)
Para muitos tugas que todos conhecemos a dar 5 por dia, só 53 anos, caia-lhes um parente na lama (e eu sou General).
Agora que 92.000 mocadas é mocada até dizer chega em qq parte da galáxia, ai isso é.

A isto chama-se patranha absoluta!!!

kuka disse...

Se fossem 92.000 assinaturas a padir a adopção por pessoas do mesmo sexo. Aí sim!!! Era um valor absoluto.

Anónimo disse...

Medir em percentagens impede-nos de cair em figuras como o governante que nos anos 90 afirmou que Portugal estava muito bem a nível de emprego, porque em França havia mais de 4 milhões de desempregados...

1% é 1%, 1 pessoa em cada 100, nem mais nem menos, e representa 1 opinião em cada 10, exactamente!

GIA

Isa from Aveiro disse...

Realmente tudo é relativo, eu acho muito, sobretudo num país de acomodados, o problema é sempre o mesmo, o da falsa moralidade. Um bom ano para a padaria da familia cheio de inspiração para nos continuar a brindar com os teus irreventes posts! Um abraço.

jg disse...

O anónimo GIA diz que 1% é uma pessoa em cada 100 o que equivale a 1 opinião em cada 10?!

Cheira-me a Novas Oportunidades!!!!

Luís Maia disse...

92.000 pessoas não é nada comparado com os milhões que votaram nos partidos que tinham essa questão nos programas com que foram eleitos

Didas disse...

AB, de facto a mim não me interessa a cambada que quer à força toda meter-se na visa dos outros. Mas 92000 continuam a ser poucos.

jg, tem tudo a ver. Mesmo tudo a ver!

Kuka, não captei essa na sua totalidade...

GIA, 1% é um em cada dez? O vinho era bom!

Olá Isa! Um bom ano para ti, desejo sincero! :)

Luís, correcto.

mfc disse...

gostei desta argumentação...

APC disse...

São os 92 mil seguidores da Igreja. Será que os tipos não vêm que já quase cabem dentro de um táxi?

AB disse...

APC, continuo a achar que quem se opõe ao casamento gay tem o mesmo direito de quem é a favor, e que a igualdade de direitos e liberdade de expressão, e mesmo a essência da democracia passam por aí. Presumo também que os 92 000 seguidores da Igreja (seja qual fôr), devam ser eliminados?

APC disse...

Presumiu mal. Eles próprios estão a encarregar-se do extermínio, agarrados a dogmas idiotas e inapropriados. Pensei que sabia isso, AB. Quanto a "isto" ser uma democracia, teríamos uma ampla discusão, não acha?

APC disse...

discussão (errata)

AB disse...

APC, eu entendo que qualquer ideologia que clame possuír a Verdade Absoluta lógicamente se recuse a mudar. Eu, se soubesse o Sentido Da Vida E Tudo O Resto, não ia mudar de idéias lá porque este ano se usam as calças de cintura descaída. Se estivesse CONVENCIDO que sabia também não mudava. E se andasse para aí virado também não me alistava em nenhum grupo que andasse a actualizar a Verdade Absoluta, tipo VA 2.0. O mais interessante é que, ninguém sabendo ao certo o que é a Verdade Absoluta (exceptuando talvez o Edward Witten), existe a possibilidade de alguns terem razão.
Quanto a "isto" ser uma democracia, não me parece que tivéssemos uma ampla discussão. Talvez uma ampla lamentação, porque "isto" é uma democracia.

APC disse...

"APC, eu entendo que qualquer ideologia que clame possuír a Verdade Absoluta lógicamente se recuse a mudar. Eu, se soubesse o Sentido Da Vida E Tudo O Resto, não ia mudar de idéias lá porque este ano se usam as calças de cintura descaída. Se estivesse CONVENCIDO que sabia também não mudava...."
Bom, veio apenas dar-me razão, com todo esse discurso.
1- não estou convencido de que conheço a verdade. muito menos a "absoluta", contrariamente às "verdades" veiculadas pela igreja.
2- concordo quando se refere à "lamentação". Efectivamente não vivemos numa democracia, mas num regime parlamentarista. terei muito gosto em debatar isto consigo.